Actualidade e lugares
Quarta-feira, 30 de Maio de 2012
Sobre o caso Relvas

O caso Relvas tem feito correr muita tinta.

As secretas portuguesas têm sido tudo menos aquilo que o seu nome indica. O rol de casos é longo, desde a identificação de agentes no ativo a circular nos corredores do Parlamento, ao aviso numa entrevista à imprensa do ex-ministro Santos Silva de ia ser enviado um agente 'secreto' para o Libano… muitos têm sido os casos. Quando há notícias sobre as secretas algo está mal.

Olhando para o foi o socratismo, em que poucas barreiras da decência democrática não foram pisadas (assim de repente não me lembro de nenhuma que tenha escapado) começa a ser com alguma indiferença que encaramos cada caso que possa surgir de promiscuidade entre políticos, jornalistas, juízes, aventais, banqueiros, espiões, gente do futebol, sucateiros, etc.

No tempo do governo anterior uma bomba mediática nunca chegava a fazer estragos pois havia sempre um anuncio de mais uma medida fantástica, mais uma inauguração de um troço da auto-estrada sem portagens rumo a um futuro risonho, e só não embarcava na viagem quem era pessimista. Demorou algum tempo mas o combustível de tanta fartura, a dívida do país ao estrangeiro, acabou-se e o vendedor das ilusões demitiu-se.

Depois dele chegou uma nova atitude e um novo discurso. Temos de trabalhar mais e melhor, temos de ajustar o nível de vida à capacidade da nossa economia, o Estado deve ser menor e melhor.

Apesar da impopularidade das inúmeras medidas tomadas, as sondagens apontam para um apoio maioritário do eleitorado à actual coligação, o que é surpreendente.

É neste cenário que rebenta caso Relvas. A vontade do jornal Público em cavalgar este furo, contrasta com a sua indiferença de outros casos, e até há quem fale que estamos perante um ajuste de contas entre o grupo Sonae.com e o governo. Apesar disso este caso merece uma atitude por parte de Passos Coelho. O atual Primeiro Ministro poderá transformar a ameaça à estabilidade que pode vir a ser a demissão do seu braço direito, numa oportunidade de mostrar ao país que o tempo dos abusos de poder e das ingerências antidemocráticas acabou nas últimas eleições. Relvas deve sair.



publicado por Paulo Sousa às 00:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
O autor

últ. comentários
Obrigado Laura,Apenas aqui poderia ter chegado pel...
magnífico texto.Cheguei aqui através do "Delito".
Lembram-se de quando as taxas ultrapassaram os 7% ...
Se o discurso do sr burlão da ONU fosse de apoio a...
Um título alternativo: "A realidade não é uma cons...
arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Dezembro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Julho 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

links
Leitura em curso


O Futuro e os seus inimigos

 

de Daniel Innerarity

 

Um livro que aposta numa política do optimismo e da esperança numa ocasião em que diminui a confiança no futuro. Boa parte dos nossos mal-estares e da nossa pouca racionalidade colectiva provém de que as sociedades democráticas não mantêm boas relações com o futuro. Em primeiro lugar, porque todo o sistema político, e a cultura em geral, estão virados apenas para o presente imediato e porque o nosso relacionamento com o futuro colectivo não é de esperança e projecto mas de precaução e improvisação. Este livro procura contribuir para uma nova teoria do tempo social na perspectiva das relações que a sociedade mantém com o seu futuro: de como este é antevisto, decidido e configurado. Para que a acção não seja reacção insignificante e o projecto se não converta em idealismo utópico, é necessária uma política que faça do futuro a sua tarefa fundamental

 


Teorema

 


 

 




 

Cachimbos: Marcas, Fabricantes e Artesãos

 

 

de José Manuel Lopes

 

 

 

O mais completo livro sobre cachimbos, da autoria do jornalista José Manuel Lopes, presidente do Cachimbo Clube de Portugal. Profusamente ilustrada, esta obra a que poderíamos chamar enciclopédica, dá-nos ainda em anexo uma completíssima lista de clubes e associações do mundo inteiro e dos seus sites.


Quimera

tags

25 abril(4)

31 da armada(2)

albergue espanhol(2)

alemanha(8)

alpes-maritimes(2)

alsacia(2)

andorra(2)

angola(12)

ano novo(3)

antuerpia(3)

asseio(4)

auschwitz(5)

austria(3)

be(3)

belgica(3)

berlim(8)

blasfemias(12)

blogs(8)

cachimbo de magritte(5)

california(11)

canterbury(3)

cinema(2)

coast to coast(79)

colmar(3)

constituição(3)

copenhaga(3)

corta-fitas(6)

crise(14)

cristianismo(2)

d day(4)

daniel innerarity(3)

delito de opiniao(8)

democracia(9)

desporto(4)

dinamarca(4)

direita(4)

eleiçoes(7)

emigraçao(2)

ensino(7)

escocia(10)

espanha(6)

esquerda(7)

estado(4)

eua(85)

europa(9)

expresso(4)

facebook(3)

filatelia(26)

filosofia(3)

fmi(7)

forte apache(3)

frança(27)

futebol(11)

futuroscope(6)

governo ps(64)

governo psd(4)

grand canyon(4)

imagens(213)

inglaterra(3)

inter rail(38)

irao(15)

islão(4)

jornal de leiria(5)

jornal i(3)

juncal(11)

justiça(4)

las vegas(8)

liberalismo(5)

liberdade(12)

londres(3)

madeira(3)

moçambique(3)

monte s michel(5)

natal(4)

omaha beach(4)

orçamento(6)

overprint(3)

pais de gales(13)

paris(3)

polonia(6)

portugal(13)

ppc(6)

praga(5)

presidenciais(3)

ps(12)

psd(14)

publico(7)

recortes(55)

reino unido(44)

rep checa(5)

route66(5)

rugby(5)

san francisco(5)

sindicatos(3)

socialismo(47)

socrates(72)

suiça(7)

teerao(13)

ue(6)

yorkshire(8)

todas as tags