Actualidade e lugares
Quinta-feira, 5 de Agosto de 2010
Aconteceu num paraíso socialista

Segundo o jornal Le Figaro, Kim Jong-hun, o treinador da selecção de futebol da Coreia do Norte no último mundial, ao chegar ao seu país, foi humilhado em público, expulso do partido e condenado a trabalhos forçados.

De acordo com o que relata o jornal francês, depois da derrota honrosa por 2-1 contra o Brasil, as autoridades decidiram transmitir em directo o jogo contra Portugal, na que terá sido a primeira transmissão em directo da TV norte-coreana. O resultado do jogo sabemos qual foi, mas como os desafios se prolongam para além do apito do árbitro, o 7-0 teve este desfecho.



publicado por Paulo Sousa às 14:00
link do post | comentar | favorito

12 comentários:
De PortoMaravilha a 15 de Agosto de 2010 às 15:59
Se o diário Le Figaro fosse totalmente idóneo, acrescentaria que só três países fizeram do mundial um caso de Estado : A Coreia, a Nigéria e a França.

Nuno


De Paulo Sousa a 17 de Agosto de 2010 às 22:51
Olá Nuno,

É um prazer tê-lo aqui no Vale do Anzel.

Sobre o que 'Aconteceu num paraíso socialista' não faz sentido comparar o caso francês com o coreano (não estou a par do caso Nigeria). Este post refere-se ao inequívoco atentado aos direitos humanos e não facto desportivo em si.

Abraço


De PortoMaravilha a 18 de Agosto de 2010 às 23:38
Olá ,

Como vai ? Só agora reparei que o não tinha cumprimentado no comentário anterior. Peço desculpa.

Estive em Portugal uma semana ( aluguei nas praiias de Ovar e depois fui para as Astúrias ) e achei ( já não ia há sete anos ) progressos extraordinários no que diz respeito ao civismo, cotagem de lixo, passeios limpos... Fiquei agradavelmente surpreso.

Mas também é verdade que não se apagam facilmente 50 anos de fascismo-analfabetismo. No fundo, Portugal é um país novo.

Os meus filhos adoraram Portugal.

Quanto ao que escrevi : Não deixa de ser curioso que o governo Francês tenha feito do Mundial um caso de estado. Porquê ?

É claro que o meu país não é a Coreia do Norte ( felizmente ). Mas foi também uma tentativa mal sucedida em tentar desviar todo o debate que existe em torno dos ataques contra as conquistas sociais, os escandalos financeiros ...

Pela primeira vez na história da França desde 1945, o enrequecimento dos mais abastados não favorece o os mais pobres. Algo inédito. E esta análise nem é minha, mas de Coppé que faz parte do grupo parlementar que apoia Sarkozy.

O direito a um mínimo para poder viver com dignidade também faz parte dos direitos humanos, sobretudo num dos países mais ricos do mundo.

E deste ponto de vista, continuo a achar curioso que a França, tal como a Coreia tenha e continue a fazer do Mundial um caso de estado.

Abraço,

Nuno


De Paulo Sousa a 22 de Agosto de 2010 às 23:39
Nuno, sabe que é sempre um prazer conversar consigo.
Por partes.
É sempre agradável saber que alguém apreciou uma visita a Portugal. O período de tempo que passou desde a sua última visita permite-lhe uma análise diferente e mais alargada daquela que fazemos, mas sinto (e não estou só) que já estivemos bem melhor do que estamos.
Sobre o ligação da política ao futebol, não é novidade, acontece desde que o desporto-rei se tornou um fenómeno de massas. Olhando apenas para o último mundial houve mais casos além dos que relatou. Veja-se o caso de Espanha. No dia anterior à final mais de um milhão de pessoas manifestaram-se contra a unidade do Reino de Espanha, defendendo a independência da Catalunha... depois disso se orgulharam pelo feito da selecção e o Rei não se poupou em recepções de Estado aos jogadores e treinador...
Não distingo ditaduras de esquerda e de direita, são todas ditaduras e por isso não concordo em contrapor temas como as conquistas sociais e a liberdade do indivíduo vs estado num debate.
O motivo inicial do post foi a repulsa por um regime que condena um treinador de futebol a trabalhos forçados, por não ter atingido melhores resultados, o que é inqualificável. E acrescento que existem deputados portugueses da Assembleia da República que defendem o regime da Coreia do Norte, o que me deixa quase sem palavras.
Obrigado pelo comentario


De PortoMaravilha a 24 de Agosto de 2010 às 21:52
Olá !

Como vai ?

Eu estou totalmente de acordo consigo : Não existem ditaduras de esquerda ou de direita . Existem só ditaduras e nada mais.

Obrigado pela informação que desconhecia : Não sabia que existiam deputados pt que defendensem o regime da Coreia do Norte. O que é um ... absurdo.

Todavia, e sem fazer qualquer comparação entre a Coreia do Norte e a França, não posso ficar insensível ao facto que a França tenha expulsado ciganos, separando pais, mães e filhos .

E, sem quer ser teimoso, talvez esta história me reenvie para um passado que os meus conheceram e que se tenta apagar.

Sarkozy, apóstolo do turbo-liberalismo, tem responsabilidades maiores E quem não se cala também tem ainda maiores responsabilidades.

A dignidade humana não tem preço !

E como tal continuo a pensar que não é um acaso se a França é ( ainda é ) ou foi o único país a fazer do Mundial um caso de Estado.

Mudando de assunto a 365 coisa ventos ( lol ) :

Tenho acompanhado a sua série de fotos.

No que diz respeito aos Navajos : A conquista do seu território será fácil. É um povo que não tem medo da morte e cuja relação com outrem difere totalmente das outras nações índias.

Penso que é possível com os romances ( policiais historicos ) de Tony Hillerman re-descobrir a nação Navajo

Nuno





De Paulo Sousa a 24 de Agosto de 2010 às 23:36
Ola Nuno,

Será a dignidade humana algo tão importante que devemos toda a vida fazer por a merecer, ou é-nos intrínseca sejam quais forem os nossos actos? Não estou a fazer qualquer afirmação, mas apenas a assumir uma dúvida.
Acredito que no caso da extradição dos europeus de etnia cigana de França para a Roménia, a lei estará a ser cumprida.
Desconheço a obra de Tony Hillerman, mas sobre os Navajos posso afirmar que têm um território fantástico. Merece a visita.
Abraço


De PortoMaravilha a 30 de Agosto de 2010 às 21:40
Olá Paulo Sousa,

A sua pergunta dava para uma dissertação de filosofia.

A dignidade humana não nos é intrínsica . A humanidade sim !

Acho que a compreensão de que somos humanos nos leva fatalmente para questionamentos que desaguam na problemática da dignidade humana.

O autor do Pavilhão dos Cancerosos, escreveu um relato que retrata um dia ou 24 horas de um prisioneiro no Goulag ( não conheço o título em Português ). Resistiu porque nunca comeu com as mãos ou lapou... Primo Lévi em " e se fosse um homem" apresenta uma passagem igual num campo da morte nazi. E sem dúvida Robert Merle, em "La mort est mon métier" ainda exprime melhor o sentimento que a dado momento da sua vida qualquer ser humano, porque tem consciência da sua conciência, expressa o medo da morte de outrem e logo o medo da sua própria morte.

Não sei o que são leis que separam pais, mães e crianças.

Abraço,

Nuno





De Paulo Sousa a 31 de Agosto de 2010 às 08:33
dura lex, est lex



De PortoMaravilha a 8 de Setembro de 2010 às 14:30
Olá,

Desculpe a resposta tão tardia. Mas "la rentrée" tem-me roubado muito tempo.

No excelente tele-filme Francês, "Souza Mendes" , a dado momento o consul vira-se para o seu secretario e pergunta-lhe : "Tem a certeza que quer partilhar esta aventura comigo ? Sabe que vou contra a lei e as ordens ( de Salazar ) ! "

O secretário responde-lhe : " Excelência, pela primeira vez na minha vida tenho orgulho em ser Português ! "

Nuno


De Paulo Sousa a 8 de Setembro de 2010 às 22:31
Acho que Sousa Mendes é um herói ainda pouco conhecido pelos portugueses, mas comparar o holocausto ao caso dos ciganos em França (pelo que sei aceitaram dinheiro para não regressar a França, dizendo aos media que regressariam a breve prazo) é desconhecer o que foi o holocausto. Pelo que já li do Nuno sei que sabe o que foi o holocausto e por isso, permita-me a franqueza de lhe dizer que a comparação não é adequada.


De PortoMaravilha a 9 de Setembro de 2010 às 21:19
Olá !

Concordo consigo. A comparação não é adequada nem possível quanto ao Holocausto.

Não foi o meu intento.

Mas há que estar atento e, para isso, a memória deve permanecer. Tal como faltam ruas, em Portugal, com o nome Souza Mendes.

Os "roms" não foram enviados para campos da morte.

Nem a Bulgária nem a Roménia são, hoje em dia, os campos da morte.

Chocou-me isso sim a forma : Porquê separar as mães e os pais dos filhos ? Porquê estigmatizar uma comunidade publicamente ?

Qual o interesse político futuro ?

Uma coisa é certa : A denúncia desta forma de procedimento é, primeiramente, um acto de políticos de direita ( Gaulistas ). A esquerda tomará o comboio em andamento. Se é que os Gaulistas são de direita . Se calhar são pré-históricos !

Abraço,

Nuno




De Paulo Sousa a 10 de Setembro de 2010 às 01:08
Não sei responder às suas questões, que não serão mais que uma reflexão sobre o que poderá ter sido uma manobra política que não atingiu os fins previstos, mas todos os países soberanos têm a legitimidade de definir a sua política de recepção de estrangeiros. A Europa precisa de estrangeiros também para corrigir a sua reduzida natalidade, mas isso não é o mesmo que deixar que regras definidas para promover bem estar geral sejam pervertidas e utilizadas para usufruto individual.
Já aqui falamos da dignidade humana e estou em crer que esta só existirá para quem faz por merecer um tratamento digno e não para os que se recusam em entrarem no sistema. Posso estar enganado, mas isto é o que penso.
Um abraço


Comentar post

pesquisar
 
O autor

últ. comentários
Obrigado Laura,Apenas aqui poderia ter chegado pel...
magnífico texto.Cheguei aqui através do "Delito".
Lembram-se de quando as taxas ultrapassaram os 7% ...
Se o discurso do sr burlão da ONU fosse de apoio a...
Um título alternativo: "A realidade não é uma cons...
arquivos

Setembro 2019

Maio 2019

Março 2019

Dezembro 2018

Maio 2018

Abril 2018

Dezembro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Julho 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

links
Leitura em curso


O Futuro e os seus inimigos

 

de Daniel Innerarity

 

Um livro que aposta numa política do optimismo e da esperança numa ocasião em que diminui a confiança no futuro. Boa parte dos nossos mal-estares e da nossa pouca racionalidade colectiva provém de que as sociedades democráticas não mantêm boas relações com o futuro. Em primeiro lugar, porque todo o sistema político, e a cultura em geral, estão virados apenas para o presente imediato e porque o nosso relacionamento com o futuro colectivo não é de esperança e projecto mas de precaução e improvisação. Este livro procura contribuir para uma nova teoria do tempo social na perspectiva das relações que a sociedade mantém com o seu futuro: de como este é antevisto, decidido e configurado. Para que a acção não seja reacção insignificante e o projecto se não converta em idealismo utópico, é necessária uma política que faça do futuro a sua tarefa fundamental

 


Teorema

 


 

 




 

Cachimbos: Marcas, Fabricantes e Artesãos

 

 

de José Manuel Lopes

 

 

 

O mais completo livro sobre cachimbos, da autoria do jornalista José Manuel Lopes, presidente do Cachimbo Clube de Portugal. Profusamente ilustrada, esta obra a que poderíamos chamar enciclopédica, dá-nos ainda em anexo uma completíssima lista de clubes e associações do mundo inteiro e dos seus sites.


Quimera

tags

25 abril

31 da armada

albergue espanhol

alemanha

alpes-maritimes

alsacia

andorra

angola

ano novo

antuerpia

asseio

auschwitz

austria

be

belgica

berlim

blasfemias

blogs

cachimbo de magritte

california

canterbury

cinema

coast to coast

colmar

constituição

copenhaga

corta-fitas

crise

cristianismo

d day

daniel innerarity

delito de opiniao

democracia

desporto

dinamarca

direita

eleiçoes

emigraçao

ensino

escocia

espanha

esquerda

estado

eua

europa

expresso

facebook

filatelia

filosofia

fmi

forte apache

frança

futebol

futuroscope

governo ps

governo psd

grand canyon

imagens

inglaterra

inter rail

irao

islão

jornal de leiria

jornal i

juncal

justiça

las vegas

liberalismo

liberdade

londres

madeira

moçambique

monte s michel

natal

omaha beach

orçamento

overprint

pais de gales

paris

polonia

portugal

ppc

praga

presidenciais

ps

psd

publico

recortes

reino unido

rep checa

route66

rugby

san francisco

sindicatos

socialismo

socrates

suiça

teerao

ue

yorkshire

todas as tags