Actualidade e lugares
Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010
Sobre dívida, Pequim, soberania e direitos fundamentais dos portugueses e restantes europeus

O Ministro das Finanças esteve em Pequim a negociar o apoio que a China pode vir a dar na colocação da dívida soberana da República Portuguesa, o que se pode simplificar dizendo apenas que Teixeira dos Santos foi a Pequim pedir dinheiro emprestado para pagar prestações em atraso. O discurso oficial é que após a visita ocorreu "um grande salto em frente nas relações luso-chinesas em todos os níveis". Quem conhecer minimamente a história chinesa do sec. XX, concordará que por si só não estamos perante uma expressão feliz.

Se o que está em causa fosse apenas uma questão operacional de emissão de dívida, Teixeira dos Santos não necessitaria de se deslocar a Pequim, pois isso resolve-se nas salas de mercados. Importa por isso saber que outros compromissos foram assumidos pelo Estado Português. Imagino que a posição portuguesa no Conselho de Segurança da ONU tenha sido um assunto abordado e também, quem sabe, o caso do Tibete.

Quando se fala em perda de soberania por via da dívida, fala-se na perda de capacidade de opinar e de decidir enquanto estado democrático e respeitador dos direitos individuais no palco internacional e de assim deixar de poder fazer contra-ponto contra, quiçá, ditaduras e regimes autoritários. Emite-se dívida soberana e com ela segue também a soberania, milhão atrás de milhão.

Apesar de existirem países europeus que sabem gerir a sua economia e que tem a casa arrumada, o que se passa no nosso país acaba por ser acompanhado pelo todo europeu relativamente aos restantes blocos económicos.

Há dias Vasco Campilho relacionou a falta de solidariedade das instituições europeias para com os países em dificuldades com a possibilidade de estes serem acudidos por terceiros e dessa forma se afastarem da órbita europeia.

Não duvido que todo o processo a que estamos a assistir de perda da influência do bloco europeu (que se deve à falta de crescimento económico, à insignificância militar e ao envelhecimento da população) levará a que a prazo tenhamos que ser menos exigentes em termos dos direitos fundamentais que nos são caros. Noutra perspectiva equivale a dizer que o crescimento económico das novas potências globais e regionais, levará a que estas ganhem terreno à Europa, não só mas também pela compra da sua/nossa dívida e, mesmo sem termos consciência disso, teremos a prazo de aceitar regras mais próximas das que regulam essas economias e essas sociedades.

Terá a Europa capacidade política para contrariar esta tendência? Com os actuais líderes, não.



publicado por Paulo Sousa às 08:00
link do post | comentar | favorito

6 comentários:
De Eduardo Louro a 15 de Dezembro de 2010 às 22:24
Andamos de mão estendida de esquina para esquina. Como mendigos à procura da melhor saída do metro!
Mas também é verdade que este deslocamento do centro de gravidade do poder mundial nos vai levando tudo. Começa por nos levar o conforto do nosso modo de vida e acaba por nos levar os mais sagrados dos nossos valores. Afinal aquela cadeira vazia de Oslo aconteceu apenas na semana passada! E hoje ficou outra vazia em EStraburgo! Um destes dias não há sequer cadeiras, apenas cadeias!


De Paulo Sousa a 15 de Dezembro de 2010 às 23:17
Além da preponderância económica, também os valores, ou a falta deles, dos países emergentes irão ganhar terreno aos valores europeus.
Quanto tempo faltará até regimes autoritários e bem sucedidos economicamente (?) como o Chinês, serão elogiados?
Conseguiremos evitar que as novas gerações de europeus aceitem trocar direitos por emprego?


De Marco a 16 de Dezembro de 2010 às 23:45

Os países das economias emergentes estão em força ...

Os países da velha Europa de calças na mão devido à crise económica causada por um conjunto de gananciosos , um misto entre a banca e a especulação, uma elite de economistas falhados cujo objectivo é o lucro fácil, a exploração do sistema económico obsoleto, têm de aceitar ajudas vindas de todo o lado, de economias claramente mais pujantes.

Portugal? à imagem do seu líder , aceitou de bom grado a ajuda desse país democrático que é a China, já tinha sido a Venezuela, de seguida será a Líbia e por ai fora ...

Em suma, receber ajuda de países cuja preocupação com os direitos não é uma prioridade não é de estranhar olhando para a realidade que temos, o que interessa mesmo é manter o poleiro e se possível encher os bolsos até novas eleições.

Basta olhar para este imagem ridícula, todos sabemos que a actual ministra do trabalho foi uma figura destacada do sindicalismo europeu, agora com sede de poder, é vê-la no mais recente ataque à classe trabalhadora, com esta nova medida que não é mais que liberalizar os despedimentos.

Mas claro, é uma medida que visa aumentar a competitividade da economia portuguesa, claro, despedimentos fáceis, contratação de novos empregados a ganhar menos e trabalhar mais, ou seja, exploração da mão de obra, e estamos de volta ao inicio.... CHINA


De Paulo Sousa a 17 de Dezembro de 2010 às 00:47
Marco,

Concordo apenas no 'não gostar' deste governo.
Os acordos da Organização Mundial de Comércio dos anos 90 que abriram as portas dos produtos originários dos marcados emergentes, um dos factores mais marcantes do que podemos chamar processo de globalização, constituíram uma boa nova para milhares de milhões de pessoas que assim saíram da pobreza mais abjecta. Basta ver as recentes classes médias do Brasil, da Índia, da China, e lembrar-mo-nos que há uma década atrás estes países não tinham classe média para ver a dimensão da coisa.
Não deixa de ser curioso constatar que esta extraordinária evolução aconteceu em consequência de políticas liberais.
Alguma esquerda lembrará com nostalgia as petições pelo perdão da dívida dos países do terceiro mundo e as vigílias contra a fome no mundo e claramente que preferia a relação sobranceira entre o doador e o pedinte.
O revés deste processo é que os três blocos económicos de referência da segunda metade do sec. XX, a Europa, os EUA e o Japão (o G8 foi alargado a G20), perderão e já estão a perder importância e terão de se ajustar a esta nova realidade, o que na pratica se traduz naquilo que já estamos a ver, diminuição da produção, perda de emprego e de protagonismo.
Neste quadro global, Portugal é apenas um peão incapaz de influenciar o que quer que seja e sem capacidade de reagir no sentido necessário, que é fazer o que a Europa mais desenvolvida fez há muito, e que é apostar nos sectores inovadores e de elevado valor acrescentado, sectores onde os mercados emergentes são apenas compradores e onde não podem concorrer com as suas economias baseadas em mão de obra barata. Existem ilhas de excelência, mas insuficientes para inverter a tendência de empobrecimento que estranhamente, ou não, coincide os anos de ouro do socialismo português.


De Paulo Sousa a 18 de Dezembro de 2010 às 00:04
Ai está na capa do Expresso, afastamo-nos da esfera de influência europeia para nos aproximarmos da China, da Líbia e dos árabes. Não fui eu que os escolhi.

http://clix.expresso.pt/a-primeira-pagina-do-expresso=f621832


De Marco a 20 de Dezembro de 2010 às 00:22

Boa noite ...

Esse titulo do Expresso vem mesmo ao encontro do que escrevemos.

São estes os parceiros do Sr. Primeiro Ministro e Sr. Ministro das Finanças.

As coisas são simples de resumir, quando o gestor é de qualidade nula, quando o político é de qualidade nula, quando não se consegue apresentar medidas dignas desse nome, com capacidade para melhorar o estado da nação, faz-se uma de duas:

Ou se tornam em ditadores ... ou se aliam a eles.

Sinceramente Paulo .... gosto disto, gosto de comentar, gosto de política... tenho jeito? claro que não ... mas os que governam ou governaram Portugal de 1974 até hoje, salvo pouquíssimas excepções são a imagem de marca do que é a política e a gestão pública em Portugal ... ou seja ... zero ... tristeza.


Comentar post

pesquisar
 
O autor

últ. comentários
Obrigado Laura,Apenas aqui poderia ter chegado pel...
magnífico texto.Cheguei aqui através do "Delito".
Lembram-se de quando as taxas ultrapassaram os 7% ...
Se o discurso do sr burlão da ONU fosse de apoio a...
Um título alternativo: "A realidade não é uma cons...
arquivos

Setembro 2019

Maio 2019

Março 2019

Dezembro 2018

Maio 2018

Abril 2018

Dezembro 2017

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Julho 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

links
Leitura em curso


O Futuro e os seus inimigos

 

de Daniel Innerarity

 

Um livro que aposta numa política do optimismo e da esperança numa ocasião em que diminui a confiança no futuro. Boa parte dos nossos mal-estares e da nossa pouca racionalidade colectiva provém de que as sociedades democráticas não mantêm boas relações com o futuro. Em primeiro lugar, porque todo o sistema político, e a cultura em geral, estão virados apenas para o presente imediato e porque o nosso relacionamento com o futuro colectivo não é de esperança e projecto mas de precaução e improvisação. Este livro procura contribuir para uma nova teoria do tempo social na perspectiva das relações que a sociedade mantém com o seu futuro: de como este é antevisto, decidido e configurado. Para que a acção não seja reacção insignificante e o projecto se não converta em idealismo utópico, é necessária uma política que faça do futuro a sua tarefa fundamental

 


Teorema

 


 

 




 

Cachimbos: Marcas, Fabricantes e Artesãos

 

 

de José Manuel Lopes

 

 

 

O mais completo livro sobre cachimbos, da autoria do jornalista José Manuel Lopes, presidente do Cachimbo Clube de Portugal. Profusamente ilustrada, esta obra a que poderíamos chamar enciclopédica, dá-nos ainda em anexo uma completíssima lista de clubes e associações do mundo inteiro e dos seus sites.


Quimera

tags

25 abril

31 da armada

albergue espanhol

alemanha

alpes-maritimes

alsacia

andorra

angola

ano novo

antuerpia

asseio

auschwitz

austria

be

belgica

berlim

blasfemias

blogs

cachimbo de magritte

california

canterbury

cinema

coast to coast

colmar

constituição

copenhaga

corta-fitas

crise

cristianismo

d day

daniel innerarity

delito de opiniao

democracia

desporto

dinamarca

direita

eleiçoes

emigraçao

ensino

escocia

espanha

esquerda

estado

eua

europa

expresso

facebook

filatelia

filosofia

fmi

forte apache

frança

futebol

futuroscope

governo ps

governo psd

grand canyon

imagens

inglaterra

inter rail

irao

islão

jornal de leiria

jornal i

juncal

justiça

las vegas

liberalismo

liberdade

londres

madeira

moçambique

monte s michel

natal

omaha beach

orçamento

overprint

pais de gales

paris

polonia

portugal

ppc

praga

presidenciais

ps

psd

publico

recortes

reino unido

rep checa

route66

rugby

san francisco

sindicatos

socialismo

socrates

suiça

teerao

ue

yorkshire

todas as tags